skip to content

Das aventuras do historiador

A historiadora e professora Helena Azevedo Paulo de Almeida, apresentadora da série Indígenas: os povos originários do Brasil, traz uma reflexão sobre o papel do historiador na sociedade e fala de sua experiência junto a emissora: "a rádio é um ambiente completamente novo para o historiador, para o professor". A docente fala da experiência com esta linguagem e a tentativa de tornar a ciência cada vez mais acessível, neste caso a partir do contexto da história brasileira tendo em foco os indígenas. Confira abaixo o texto escrito pela pesquisadora a pedido do Sistema UFOP de Rádio.


Talvez faça parte de um imaginário popular pensar que o habitat natural do historiador seja os fundos mais remotos de uma biblioteca ou arquivo histórico, e que o próprio historiador seja aquela pessoa, meio esquisita, fora da sociedade, que fala apenas de coisas passadas e que não voltam mais.

Para quem não é da área, existe um forte estranhamento sobre o historiador se apresentar em ambientes que não sejam a Universidade, biblioteca ou um escritório no fundo de alguma casa. Este, prezado leitor, seria um grande engano! Mas afinal, para que serve a história e, junto a ela, o historiador? Marc Bloch, em “Apologia da História”, diz a seu neto que, no mínimo, a história serve para se divertir. E claro, diversão é essencial para tudo que fazemos na vida. Sem o prazer de fazê-lo, qual o sentido, não é mesmo? Mas, a meu ver, a história vai muito além disso.

Pela minha limitada experiência – e é limitada pois, enquanto seres humanos, somos todos limitados – pude perceber que a história está em cada momento de nossa vida e em cada decisão tomada por nós mesmos e por nossos governantes. É a história a principal fonte para explicar a sociedade, e é a história – claro, junto às demais áreas das humanidades – base fundamental para o pleno exercício da cidadania: para exigirmos nossos direitos e efetivarmos nossos deveres... e isto nem sempre é visto com bons olhos.

É justamente por isso que historiadores devem se aventurar na atuação de áreas que não correspondem necessariamente à nossa formação, e isto, claro, com o máximo de respeito pelos profissionais das demais áreas. Precisamos fazer isso pois, se não o fizermos, outros o farão, e não necessariamente terão o respeito ou rigor científico pelo tema. O rigor não pode, jamais, faltar. No Brasil, o historiador é, necessariamente, um professor. E isso deve ser, além de ressaltado, reconhecido pela sociedade. Enquanto professores, os historiadores são intelectuais e, por isso, movidos pelo ímpeto de denunciar a corrupção, defender os injustiçados e desafiar a opressão, como já muito bem disse Edward Said, em “Representações do Intelectual”. Percebem o porquê dos historiadores e professores serem tão depreciados?

Aqui, vocês encontrão uma aventurança de professores em prol desses objetivos e mais, do diálogo! Uma experiência enriquecedora para a profissão, pois a rádio é um ambiente completamente novo para o historiador, para o professor. Ainda mais considerando o limite da fala, afinal cinco minutos para temas tão complexos é sempre muito pouco... na realidade, uma vida inteira é pouco para abordar estes temas! Mas a experiência com uma linguagem nova, na tentativa de tornar a ciência cada vez mais acessível, é realmente revigorante. Principalmente pela oportunidade de dialogar com profissionais tão comprometidos. Nos fez pensar, enquanto profissionais de diferentes áreas, o quão importante são as atividades interdisciplinares. E o quanto precisamos sempre estar abertos à novas possibilidades de diálogo. Mas como o tempo e o espaço é sempre limitado, considerem esta experiência como um convite à reflexão sobre temáticas que envolvem os povos originários do Brasil, e um pedido para que essas reflexões sejam sempre constantes.

Helena Azevedo Paulo de Almeida - Doutoranda pela Universidade Federal de Ouro Preto e mestre em História pela mesma instituição, onde atuou como professora substituta. É pesquisadora integrante do Núcleo de Estudos em História da Historiografia e Modernidade (NEHM/UFOP), do Grupo de Pesquisa em História, Ética e Política (GHEP/NEHM/UFOP), do Laboratório de Ensino de História (LEHIS/UFOP) e do Laboratório e Grupo de Estudos de História Política e das Ideias (LEHPI/UFES), onde desenvolve pesquisa em História do Ensino de História, Ensino de História e Ensino de História Indígena.

Texto publicado originalmente em 15 de Nov de 2019 no site Educação e laicidade. Para acessar o site clique aqui.

Últimas notícias

Rádio UFOP entre os vencedores do Prêmio Rubra

2 Novembro 2020

O Sistema UFOP de Rádio conquistou o 2°lugar no I Prêmio Rubra de Rádio Universitário , na categoria Divulgação Científica, com o Podcast "O coronavirus, chegou, e agora? O que as crianças querem saber ?". O resultado foi divulgado pela organização no início da noite do dia 2 de novembro e a equipe responsável pela...

Fios de Solidariedade busca construir rede de apoio às mulheres ao longo do ano

22 Outubro 2020

A sétima edição do Projeto Fios de Solidariedade tem como tema “Árvore da Felicidade - Peça felicidade”. Realizado desde 2014 anualmente em outubro, a ação foi criada com o intuito de unir a comunidade acadêmica e a população ouro-pretana na luta contra o câncer de mama , e também restaurar a autoestima de pacientes em...

Reportagem Especial aborda a questão da saúde mental

14 Outubro 2020

De acordo com o Ministério da Saúde, 12 mil pessoas cometem suicídio todos os anos no Brasil. Portanto é de extrema importância que sejam estabelecidos diálogos sobre o assunto, o que deve ser feito com muito acolhimento e, principalmente, sem julgamentos. Ajudar aqueles se encontram em quadro depressivo pode ser feito de...