skip to content

Das aventuras do historiador

A historiadora e professora Helena Azevedo Paulo de Almeida, apresentadora da série Indígenas: os povos originários do Brasil, traz uma reflexão sobre o papel do historiador na sociedade e fala de sua experiência junto a emissora: "a rádio é um ambiente completamente novo para o historiador, para o professor". A docente fala da experiência com esta linguagem e a tentativa de tornar a ciência cada vez mais acessível, neste caso a partir do contexto da história brasileira tendo em foco os indígenas. Confira abaixo o texto escrito pela pesquisadora a pedido do Sistema UFOP de Rádio.


Talvez faça parte de um imaginário popular pensar que o habitat natural do historiador seja os fundos mais remotos de uma biblioteca ou arquivo histórico, e que o próprio historiador seja aquela pessoa, meio esquisita, fora da sociedade, que fala apenas de coisas passadas e que não voltam mais.

Para quem não é da área, existe um forte estranhamento sobre o historiador se apresentar em ambientes que não sejam a Universidade, biblioteca ou um escritório no fundo de alguma casa. Este, prezado leitor, seria um grande engano! Mas afinal, para que serve a história e, junto a ela, o historiador? Marc Bloch, em “Apologia da História”, diz a seu neto que, no mínimo, a história serve para se divertir. E claro, diversão é essencial para tudo que fazemos na vida. Sem o prazer de fazê-lo, qual o sentido, não é mesmo? Mas, a meu ver, a história vai muito além disso.

Pela minha limitada experiência – e é limitada pois, enquanto seres humanos, somos todos limitados – pude perceber que a história está em cada momento de nossa vida e em cada decisão tomada por nós mesmos e por nossos governantes. É a história a principal fonte para explicar a sociedade, e é a história – claro, junto às demais áreas das humanidades – base fundamental para o pleno exercício da cidadania: para exigirmos nossos direitos e efetivarmos nossos deveres... e isto nem sempre é visto com bons olhos.

É justamente por isso que historiadores devem se aventurar na atuação de áreas que não correspondem necessariamente à nossa formação, e isto, claro, com o máximo de respeito pelos profissionais das demais áreas. Precisamos fazer isso pois, se não o fizermos, outros o farão, e não necessariamente terão o respeito ou rigor científico pelo tema. O rigor não pode, jamais, faltar. No Brasil, o historiador é, necessariamente, um professor. E isso deve ser, além de ressaltado, reconhecido pela sociedade. Enquanto professores, os historiadores são intelectuais e, por isso, movidos pelo ímpeto de denunciar a corrupção, defender os injustiçados e desafiar a opressão, como já muito bem disse Edward Said, em “Representações do Intelectual”. Percebem o porquê dos historiadores e professores serem tão depreciados?

Aqui, vocês encontrão uma aventurança de professores em prol desses objetivos e mais, do diálogo! Uma experiência enriquecedora para a profissão, pois a rádio é um ambiente completamente novo para o historiador, para o professor. Ainda mais considerando o limite da fala, afinal cinco minutos para temas tão complexos é sempre muito pouco... na realidade, uma vida inteira é pouco para abordar estes temas! Mas a experiência com uma linguagem nova, na tentativa de tornar a ciência cada vez mais acessível, é realmente revigorante. Principalmente pela oportunidade de dialogar com profissionais tão comprometidos. Nos fez pensar, enquanto profissionais de diferentes áreas, o quão importante são as atividades interdisciplinares. E o quanto precisamos sempre estar abertos à novas possibilidades de diálogo. Mas como o tempo e o espaço é sempre limitado, considerem esta experiência como um convite à reflexão sobre temáticas que envolvem os povos originários do Brasil, e um pedido para que essas reflexões sejam sempre constantes.

Helena Azevedo Paulo de Almeida - Doutoranda pela Universidade Federal de Ouro Preto e mestre em História pela mesma instituição, onde atuou como professora substituta. É pesquisadora integrante do Núcleo de Estudos em História da Historiografia e Modernidade (NEHM/UFOP), do Grupo de Pesquisa em História, Ética e Política (GHEP/NEHM/UFOP), do Laboratório de Ensino de História (LEHIS/UFOP) e do Laboratório e Grupo de Estudos de História Política e das Ideias (LEHPI/UFES), onde desenvolve pesquisa em História do Ensino de História, Ensino de História e Ensino de História Indígena.

Texto publicado originalmente em 15 de Nov de 2019 no site Educação e laicidade. Para acessar o site clique aqui.

Últimas notícias

Série da Rádio UFOP vai ao ar na Rádio MEC

17 Março 2022

A série Juventudes, produzida pela Rádio UFOP em parceria com o projeto de extensão Viva Mais, será transmitida pela Rádio MEC. A produção, que tem o objetivo de debater as diversas faces da juventude e as questões que a rodea, irá ao ar, a partir de hoje (17), toda quinta-feira às 7h40, durante o quadro Educação em...

Últimas Notícias

16 Março 2022

Jorge Kassis, superintendente de trânsito de Ouro Preto fala sobre liberação no trânsito da Avenida Lima Júnior. Jorge também informou que, no próximo sábado (19), o trânsito na Praça da Estação será liberado. Ouça! whatsapp_audio_2022-03-16_at_15.47.35.ogg